Connect with us

Brasil

Sindicatos planejam ato unificado para o Dia do Trabalho Fonte

Publicada

em

Na pauta dos sindicalistas estará o desemprego e a reforma da Previdência

A rejeição à proposta de reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL) e o  crescente desemprego vão unir nove entidades sindicais e duas frentes populares em um ato unificado em São Paulo no dia 1º de maio, em que se comemora o Dia do Trabalho.

Pela primeira vez, o Dia do Trabalho contará com uma manifestação unificada da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na cidade que é berço do sindicalismo.

Além dos temas políticos, as centrais também estão unidas por questões financeiras. O fim da contribuição sindical obrigatória e a Medida Provisória (MP) 873, editada em março e que dificulta a cobrança da contribuição dos trabalhadores sindicalizados, reduziram as fontes de recursos das centrais. A MP 873 proíbe o desconto em folha dos trabalhadores sindicalizados e obriga o pagamento via boleto.

“Há uma conjuntura política que une as centrais, mas as questões financeiras também pesam. O governo dificultou a forma de arrecadação dos sindicatos ao proibir o desconto em folha e obrigar o pagamento via boleto. Esse ato conjunto também é um enfrentamento da política governamental que está enfraquecendo a atividade sindical “, explicou Otávio Pinto e Silva, professor de Direito do Trabalho da Universidade de São Paulo (USP).

Além da CUT e da Força Sindical , a CTB, UGT, Intersindical, CSB, CGTB, Nova Central, CSP-Conlutas, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo também participarão do ato em São Paulo .

No ano passado, as duas principais centrais do país, CUT e Força, que sempre tiveram posições ideológicas distintas, se juntaram em Curitiba, também no Dia do Trabalho, para pedir a libertação do ex-presidente Lula, mas fizeram manifestações separadas em São Paulo.

O presidente da Força, Miguel Torres, nega que o ato único seja motivado pela questão financeira. “Sempre tivemos o sonho de fazer um ato único, mas cada central tinha sua linha ideológica. Este ano, com o golpe que o movimento sindical sofreu com a MP 873 e as perdas que serão impostas aos trabalhadores com a reforma da Previdência, além do desemprego elevado, a decisão foi unificar”, disse Torres, acrescentando que a orientação é para que ocorram atos unificados de Dia do Trabalho em todos os estados. Ele afirmou, ainda, que no Rio de Janeiro e em Minas Gerais isso já ficou acertado.

Sindicatos resolveram se unir em vários estados para manifestações de Dia do Trabalho, que devem criticar mudanças na Medida Provisória 873

Continue lendo
Anúncios
Comentários