Artigos

Sérgio Moro emparedado – por Professor Nazareno

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz Sérgio Fernando Moro, está se apequenando muito rápido no atual governo. O outrora todo poderoso chefe da Operação Lava Jato de Curitiba e tido como herói nacional pelos mais incautos e trouxas está vendo o seu prestígio descer ladeira abaixo. Paparicado por todos e endeusado como um caçador de corruptos além de ter sidoum feroz combatente da corrupção, o juiz hoje não é nem a sombra daquela autoridade de tempos passados. Acusado de perseguir “somente os esquerdistas” e de ter condenado o ex-presidente Lula sem provas consistentes apenas para tirá-lo da disputa presidencial, o magistrado do Paraná já teve que voltar atrás com suas declarações e pior: foi desautorizado quando nomeou IlonaSzabór para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

A impressão que se tem é que Sérgio Moro condenou o petista somente para abrir caminho para o “Mito”, a cujo governo serve como um verdadeiro capacho. O Brasil perdeu um bom juiz e ganhou apenas um ministro “meia-boca”, igual ou pior a todos os outros que o antecederam. O ex-juiz já disse que Caixa 2 não é mais um crime tão grave assim. Entrevistas dele dadas anteriormente dizendo o contrário inundaram as redes sociais e mostraram ao país que até um juiz do porte dele, dependendo das circunstâncias e dos interesses em jogo, pode mudar de opinião em tão pouco tempo. Parece que a carta branca dada por Jair Bolsonaro ao seu “superministro” foi revogada. Se quiser ainda manter a fama, Moro tem que sair logo deste governo. Que poderes tem um ministro que não pode nem nomear uma simples funcionária de terceiro escalão?

Diz a História que Sobral Pinto, um dos melhores advogados que este país já teve, lutou ferozmente pela Liga de Defesa da Legalidade ainda na década de 50 do século passado para defender a candidatura de JK ao governo. Vitorioso, Juscelino teria convidado o advogado para integrar o seu ministério. Sobral Pinto rejeitou o convite e avisou ao novo presidente que seria dali em diante um fiscal do novo governo. “Lutei para conseguir sua candidatura à Presidência e não para participar de sua administração”, teria dito na época o eminente advogado. Moro, se não tivesse sido picado pela mosca azul, poderia ter dito isso ao “Mito”. Como magistrado, ele poderia investigar bem mais a fundo o “laranjal” dos Bolsonaros. Gozando do prestígio que possuía, seria muito mais útil aos brasileiros como juiz do que como um reles ministro.

Só que a classe política já tratou de tirar os poderes do ex-combatente juiz de Curitiba.Sérgio Moro precisa urgentemente salvar a sua biografia se ainda tiver quaisquer aspirações futuras e cair fora desse “governo de insanos”. Ainda assim, é um ministro considerado sensato num sinistro ambiente onde os “loucos e ensandecidos” assessores prevalecem e os filhos do presidente dão as cartas abertamente. “O atual governo do Brasil está entregue nas mãos de desequilibrados e desmiolados”, é a impressão que se tem. Em apenas dois meses, Moro descobriu que Brasília é diferente de Curitiba. Só que isso pode ser tarde demais.Ele já vive a sua prisão moral. Sem poder e sem prestígio, logo será ex-ministro e se aposentará, saindo para sempre da vida pública. Um fim melancólico e triste para quem há pouco tempo gozava de tanta admiração no país. “O justiceiro messiânico já queima como o GirolamoSavonarola”.

*É Professor em Porto Velho.

Notícias relacionadas
Artigos

Lula e Moro culpados? Por Professor Nazareno

Artigos

Lula e Moro culpados? - Professor Nazareno*

Artigos

O medo de "hackers" pelas pessoas do povo e o uso incorreto da palavra

Artigos

Até quando o governo vai ficar inerte em relação ao caos causado pela Avianca?

Inscreva-se na nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *