Brasil

Propina de Angra 3 custeou reforma na casa de filha de Temer, diz MPF

Reformas realizadas na casa da psicóloga Maristela Temer, filha do ex-presidente Michel Temer, foram custeadas com dinheiro de propina obtida a partir da obra na usina nuclear Angra 3, segundo o Ministério Público Federal (MPF). A denúncia apresentada pelo MPF nesta quinta-feira embasou o pedido de prisão preventiva de Temer , determinada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

De acordo com a denúncia, a reforma na residência de Maristela, localizada no bairro de Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo, foi custeada por José Baptista Lima Filho, o Coronel Lima, amigo pessoal de Temer e apontado pela força-tarefa da Lava-Jato como operador do ex-presidente. Lima também foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira.

A Operação Radioatividade, deflagrada em julho de 2015, apontou indícios de fraude de licitação, corrupção e lavagem de capitais na obra de Angra 3. Contratos firmados pela Argeplan, empresa de Coronel Lima, na construção da usina nuclear foram usados no desvio de aproximadamente R$ 1,5 milhão, segundo a denúncia do MPF, para promover a obra na casa da filha de Temer, em 2014.

“(…) Resta nítido que parte dos recursos obtidos ilicitamente pela empresa Argeplan, cujos os sócios são José Baptista Lima Filho e Carlos Alberto Costa, foram convertidos em benefício direto da filha do ex-presidente Michel Temer, Maristela Temer, com ciência e aval desse na aplicação do ativo”, afirma a denúncia apresentada pelo MPF.

Segundo o MPF, que se baseou na delação premiada do executivo José Antunes Sobrinho, da empreiteira Engevix, o pagamento de vantagens indevidas ao ex-presidente Michel Temer a partir da obra de Angra 3 foi “muito mais sofisticado do que esquemas anteriores”. A Engevix se associou a uma empresa finlandesa, a AF Consult Ltd, para executar o projeto. De acordo com a delação de Antunes, a Argeplan foi subcontratada por pressão de Coronel Lima, que teria ingerência sobre a direção da Eletronuclear, estatal responsável por gerir usinas nucleares. O poder de Lima, ainda segundo o delator, devia-se à sua proximidade com Temer.

Devido a dificuldades para comprovar novas despesas no contrato de Angra 3, Lima teria arquitetado, no início de 2014, o pagamento de propina através de contratos da Engevix em projetos junto à Secretaria de Aviação Civil (SAC), à época sob a alçada do ex-ministro Moreira Franco – que também foi alvo de prisão preventiva nesta quinta. Assim, segundo a denúncia, um contrato de exploração de espaços publicitários no Aeroporto de Brasília, celebrado com a empresa Alumi, foi usado como fachada para que esta empresa destinasse quase R$ 1,1 milhão às empresas de Coronel Lima, por serviços inexistentes.

A delação de Antunes afirma que Temer avalizou o Coronel Lima como seu intermediário e pessoa de confiança, “apta a tratar de qualquer tema”.

De acordo com o MPF, a reforma na casa de Maristela Temer, cujas tratativas se iniciaram em 2012, teve como responsável Maria Rita Fratezi, mulher de Coronel Lima. Funcionários da Argeplan também atuaram na reforma. Segundo a denúncia, a maior parte dos recursos foi paga em dinheiro vivo.

“O aporte de valores foram feitos em sua quase totalidade em espécie, demonstrando a confusão patrimonial entre o ex-presidente e o Coronel Lima e a lavagem de ativos obtidos por meio de propina, transformando em ativo lícito usufruído pela família do ex-presidente”, diz a denúncia.

A reforma na casa de Maristela Temer vinha sendo investigada pela Polícia Federal. A filha do ex-presidente havia prestado depoimento em maio de 2018, para prestar esclarecimentos sobre os recursos usados na reforma. À época, acreditava-se que a obra havia sido custeada com recursos pagos pela JBS. Apesar de ter seu nome vinculado à denúncia, Maristela não está entre os alvos de pedidos de prisão preventiva ou temporária feitos pelo MPF.

Fonte: OGlobo.com

Notícias relacionadas
Brasil

Maia afirma que é frágil a defesa do governo sobre decreto do porte de armas

Brasil

Comissão debate revogação da Lei da Alienação Parental

Brasil

Cinco pessoas continuam desaparecidas após naufrágio no Amazonas

Brasil

Bolsonaro nega saída de Onyx do governo e reconhece dificuldades em articulação

Inscreva-se na nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *