URGENTE: Jornalista Ricardo Boechat morre em acidente com helicóptero

Brasil

Primeiro projeto apresentado na Câmara em 2019 quer declarar Bíblia patrimônio cultural

Proposta, do deputado Pastor Sargento Isidorio, quer transformar livro em patrimônio do Brasil e da Humanidade. Ele afirma que a Bíblia é a ‘vontade de Deus escrita para a humanidade’

O primeiro projeto apresentado na nova legislatura que se iniciou nesta segunda-feira (4) na Câmara dos Deputados quer transformar a Bíblia em “Patrimônio Nacional, Cultural e Imaterial do Brasil e da Humanidade”.

A proposta foi apresentada pelo deputado Pastor Sargento Isidorio (Avante-BA) nesta segunda, quando se iniciou o prazo para que projetos e pedidos de criação de CPIs sejam apresentados na Câmara.

Até as 16h50, já haviam sido apresentados na Câmara 64 projetos de lei. A partir deste ano, as propostas que tramitam na Câmara e no Senado terão numeração única, nas duas casas.

No primeiro dia do ano legislativo do mandato passado, em 2 de fevereiro de 2015, os deputados apresentaram 99 propostas – 94 projetos de lei, 4 projetos de lei complementar e um projeto de resolução.

Justificativa

Ao apresentar o projeto, o deputado justificou a intenção de transformar a Bíblia em patrimônio imaterial e cultural pelo fato de o livro ser o mais antigo e o “mais lido do mundo”.

Segundo ele, para os cristãos, a Bíblia “é mais do que apenas um bom livro, é a vontade de Deus escrita para a humanidade. Para os cristãos, nela se encontram, acima de tudo, as respostas para os problemas da humanidade e a base para princípios e normas de moral”.

“É correto dizer e já na autoridade do Espírito Santo que o livro que passo a defender como Patrimônio Imaterial Cultural da Nação brasileira e da Humanidade já é reconhecido por seu vasto poder terapêutico, curador, histórico, libertador, restaurador, revelador e principalmente profético, cuja capacidade de milagres comprovados já ganhou legitimidade da ciência”, diz o deputado na justificativa.

Segundo o próprio deputado, projeto semelhante foi apresentado por ele – e aprovado por “unanimidade” – pela Assembleia Legislativa da Bahia, quando Isidorio era deputado estadual.

“Nós, cristãos, seja católicos, evangélicos, espíritas ou outros acreditamos que estes homens escreveram a Bíblia inspirados por Deus e por isso consideram a Bíblia como a escritura sagrada. No entanto, nem todos os seguidores da Bíblia a interpretam de forma literal, e muitos consideram que muitos dos textos da Bíblia são metafóricos ou que são textos datados que faziam sentido no tempo em que foram escritos, mas foram perdendo seu sentido dentro do contexto da atualidade”, complementa o parlamentar no texto.

G1/Política

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Notícias relacionadas
Brasil

Bolsonaro sofre a primeira derrota na Câmara, que suspendeu decreto presidencial que trata de sigilo de dados públicos

Brasil

Revista divulga áudios com troca de mensagens entre Bolsonaro e ministro demitido Bebianno

Brasil

Moro garante que laranjal do PSL será "investigado"

Brasil

Bebianno exonerado: o que a saída de ministro indica sobre a influência dos filhos de Bolsonaro e das redes sociais no governo

Inscreva-se na nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vale a pena ler...
Deputada sofre onda de ataques nas redes sociais por uso de decote ao tomar posse