Regional

Posseiros armados invadem terras indígenas em RO dizendo “Bolsonaro agora é presidente”

Presidente da Funai fez viagem de emergência para Rondônia, onde povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau estão sob ameaça

O presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, fez uma viagem de emergência para Rondônia para monitorar de perto a escalada de violência entre indígenas dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau e posseiros armados da região, que estariam inclusive atirando para ameaçar os indígenas. Segundo Freitas, os indígenas relataram ter ouvido dos posseiros que invadiriam as terras porque “agora Bolsonaro é presidente”.

“Algumas lideranças indígenas dos povos Karipuna e Uru-Eu-Wau-Wau, que relataram dificuldades que estão passando em razão das frequentes invasões de posseiros interessados em atuar como na extração de madeira e no garimpo ilegais”, afirmou Franklimberg.

A equipe da Funai tirou a foto de uma placa da terra dos Uru-Eu-Wau-Wau, com marcas de bala. Devido ao risco que os posseiros  representam, Franklimberg quer o apoio da Polícia Federal.

“Vamos acionar os órgãos de segurança pública para nos apoiar nessas ações de vigilância para a proteção dos povos indígenas”, prometeu Franklimberg.

De acordo com o presidente da Funai, o órgão está assegurando aos indígenas que não há risco de invasões porque Bolsonaro foi eleito.

“Alguns posseiros fizeram esses comentários, de que o presidente estaria apoiando invasões. Isso é boato. É falso. O presidente não tem interesse em qualquer ação nesse sentido. Hoje estivemos na Uru-Eu-Wau-Waupara dizer que isso não é verdade, e que o Estado brasileiro dará uma resposta para quem está invadindo terra indígena ou pensando em invadir terra indígena.”

As informações são de Guilherme Amado e Eduardo Barretto da revista Época

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Notícias relacionadas
Regional

Hildon Chaves sofre pedido de impeachment por escolas fechadas e sem merenda

Regional

Marcos Rogério pode tumultuar transposição ao querer incluir ex-empregados do Beron

Regional

Menos de quatro meses morando em Brasília, Confúcio Moura é executado pelo condomínio em que vive

Regional

Mulher que apanhar do marido ganhará emprego, prevê projeto de Jaqueline Cassol

Inscreva-se na nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vale a pena ler...
Índios dizem que filha adotiva de Damares foi roubada de aldeia, diz revista