Connect with us

Brasil

‘O presidente deixou a Segurança Pública de lado’, diz representante de policiais do Rio

Publicada

em

Categoria demonstra insatisfação com diferenças entre a proposta de reforma previdenciária de militares das Forças Armadas e a PEC 6, que abrange servidores civis

A repercussão sobre a proposta de reforma previdenciária dos militares das Forças Armadas entregue na semana passada pelo governo Bolsonaro ao Congresso ainda toma os trabalhadores civis, especialmente os agentes de Segurança Pública. Depois de o presidente da FenaPRF — entidade dos policiais rodoviários federais —, Deolindo Carniel, declarar à Coluna que a sua categoria está se sentindo traída, o representante dos policiais civis do Estado do Rio, Marcio Garcia, fez coro e disse que a classe demonstra as mesmas insatisfações.

Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio, Marcio Garcia – Divulgação/Sindpol

Garcia, que é presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Rio (Sindpol), apontou que a categoria apoiou, em sua maioria, o então candidato e hoje presidente da República, Jair Bolsonaro, acreditando que a área de Segurança Pública receberia atenção.

Ele, porém, reclama que todas as peculiaridades atreladas à atividade dos agentes não estão sendo consideradas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6 da Reforma da Previdência — que abrange trabalhadores privados e servidores civis —, e que houve tratamento diferenciado dispensado aos militares da Aeronáutica, Exército e Marinha. 

Apoio dos agentes

“Na verdade, os policiais apoiaram, em sua grande maioria, o então candidato Bolsonaro, que tinha como proposta o fortalecimento da Segurança Pública. Confiamos então que o governo teria como prioridade desde o início as necessidades dos agentes de Segurança”, disse ele.

“Nesse aspecto, percebemos que os militares das Forças Armadas estão recebendo tratamento diferenciado em relação aos agentes. E ficamos numa situação inferiorizada. A Segurança Pública foi deixada de lado. Os militares fazem a Segurança Nacional, mas o sistema de Segurança Pública quem exerce somos nós, e os PMs também, claro”, completou.

Restrições

O presidente do Sindpol fez ainda comparações de sua categoria com as Forças Armadas. E defendeu que, atualmente, policiais civis e policiais militares são mais penalizados. “Temos restrições semelhantes às dos militares. Não podemos fazer greve, não temos FGTS, horas extras. Além disso, trabalhamos em condições adversas”.

Risco de morte

Ele acrescentou que em meio à realidade do país, e do Estado do Rio, os policiais correm mais riscos que os militares das três Forças.

“Os policiais ainda têm um agravante se comparado aos militares do Exército, Marinha e Aeronáutica: o nosso risco de vida é real e iminente, ao contrario das Forças Armadas, que podem correr risco (de morte) em caso de guerra. Mas quem está em meio à uma guerra não declarada são os policiais, além dos civis, os PMs”, opinou.

Segundo ele, diante desse cenário, não há “consideração” do governo para com a classe: “Acho que deveria haver consideração do governo, que não está nos olhando em relação ao que nós fazemos jus. Ressalto que não queremos privilégio, mas somente sermos tratados na medida das nossas diferenças em relação aos demais profissionais. Queremos que seja feita justiça pela nossa situação”. 

Reportagem de Paloma Savedra – O Dia/RJ

Continue lendo
Anúncios
Comentários