Connect with us

Brasil

Mourão diz a embaixador palestino que Brasil não pensa em mudar embaixada em Israel

Publicada

em

Bolsonaro anunciou em novembro intenção de levar embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. Presidente em exercício, por sua vez, disse que ‘por enquanto’ país não pensa na mudança

O vice-presidente Hamilton Mourão, que está no exercício da Presidência da República, declarou nesta segunda-feira (28) que, “por enquanto”, o Brasil não pensa em mudar sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

A decisão final será do presidente Jair Bolsonaro, ressaltou o vice, que ficará na Presidência até quarta-feira (30) pela manhã em razão da cirurgia a qual foi submetido o presidente Jair Bolsonaro.

Mourão fez o comentário depois de uma reunião com o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben. A questão foi um dos assuntos tratados e, após o encontro, o embaixador afirmou que espera que a mudança não seja efetivada.

Em entrevista ao sair do Planalto nesta segunda, Mourão disse que deu uma “resposta de Estado” ao embaixador da Palestina.

“A resposta que eu dei para eles é uma resposta de Estado, né? O Estado brasileiro, por enquanto, não está pensando em nenhuma mudança de embaixada”, afirmou.

Em 1º de novembro do ano passado, o então presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil iria transferir a embaixada em Israel para Jerusalém. Duas semanas depois, questionado por um jornalista sobre o assunto, Bolsonaro afirmou: “Quando eu assumir em janeiro, você vai ter a resposta”.

Até o momento, o governo brasileiro não oficializou a mudança, já adotada pelo Estados Unidos. Caso o Brasil tome a medida, o país reconhecerá a cidade como capital de Israel. Contudo, os palestinos discordam da posição e reivindicam Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado palestino.

Lembrado das falas de Bolsonaro sobre o assunto, Mourão explicou que foram declaração dadas durante a campanha eleitoral.

“Foi na campanha, tal e coisa. Vamos aguardar, quem decide é o presidente, né? O presidente volta aí, tem que ouvir as opiniões todas”, disse.

Do G1

Continue lendo
Anúncios
Comentários