Connect with us

Regional

Marcos Rocha cumpre primeiro compromisso de campanha e entrega presídios para PM

Publicada

em

Compartilhe

Quando candidato governador se comprometeu a contratar policiais da reserva para cuidarem dos presídios

O governador Marcos Rocha (PSL) cumpriu sua primeira promessa de campanha feita a seus colegas de farda, vai contratar toda a reserva da Polícia Militar para que eles cuidem dos presídios do Estado. Decreto publicado na última quinta-feira estabelece que “fica autorizada a contratação emergencial, pelo mesmo prazo estabelecido para a duração da intervenção prevista no caput do artigo 1º deste Decreto, de integrantes do Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada, objetivando o atendimento, em caráter excepcional, das unidades prisionais que compõem o referido Sistema Penitenciário”.

Com isso, Marcos Rocha esvazia a greve dos agentes penitenciários, que vinham trabalhando em “operação padrão” devido ao veto que havia sido feito pelo governador ao PCCS da categoria, que foi derrubado pelos deputados em sessão legislativa no último dia 22.

A contratação dos policiais da reserva vai custar bem mais caro ao Estado que a aprovação do PCCS dos agentes.

Veja o decreto:

CASA CIVIL – CASA CIVIL   DECRETO N. 23.592, DE 24 DE JANEIRO DE 2019. Autoriza a intervenção e a administração pelo Comando da Polícia Militar do Estado de Rondônia nas unidades prisionais, bem como a convocação, em caráter extraordinário e emergencial, de integrantes do Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada, nas condições que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 65, inciso V da Constituição do Estado, e ainda, com fundamento na Lei nº 1.053, de 22 de fevereiro de 2002, cumulada com o Decreto nº 9.841, de 22 de fevereiro de 20029, alterado pelo Decreto nº 9.863, de 13 de março de 2002, e,
 
Considerando a solicitação da Senhora Secretária do Estado da Justiça Etelvina Rocha, por meio do Ofício nº 918/2019/SEJUS-COGER, de 24 de janeiro de 2019;
 
Considerando o movimento paredista promovido pelo Sindicato dos Agentes Penitenciários, Socioeducadores, Técnicos Penitenciários e Agentes Administrativos Penitenciários de Rondônia SINGEPERON, que recomenda a realização de uma Operação Padrão;
 
Considerando as dificuldades atuais enfrentadas pela Secretaria de Justiça do Estado de Rondônia – SEJUS para administrar isoladamente o Sistema Penitenciário Estadual;
 
Considerando os reflexos negativos que poderão ser irradiados por conturbações da ordem pública originadas nos estabelecimentos prisionais do Estado;
 
Considerando a necessidade de controlar, manter e administrar o Sistema Penitenciário do Estado, assegurando aos presos os direitos e garantias constitucionais que lhes são aplicáveis, e à sociedade a certeza de que o Poder Público adotará todas as medidas e providências necessárias à manutenção da lei e da ordem;
 
Considerando as dificuldades normalmente enfrentadas e evidenciadas pela insuficiência de efetivo da PMRO para o cumprimento regular de suas missões constitucionais e legais, o que tende e se acentuar ainda mais, diante de situações de crise em que se faça necessária a intervenção policial em outros setores estranhos a sua atividade ordinária;
 
Considerando a situação de excepcionalidade pela qual passa a Secretaria de Justiça do Estado de Rondônia – SEJUS e a necessidade premente e iminente de intervenção policial nos estabelecimentos prisionais com vistas à assunção das funções e atividades a cargo dos agentes penitenciários que poderão paralisar suas atividades, a fim de se evitar rebeliões em massa e outras conturbações amplamente prejudiciais à segurança pública do nosso Estado;
 
Considerando que a excepcionalidade suscitada acarretará sobrecarga de trabalho bem superior ao que pode suportar a capacidade de recursos humanos atuais da Corporação Militar, o que necessariamente implicará a deflagração de Edital com vistas à contratação transitória e emergencial de integrantes do Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada para a prestação de serviço na ativa; e
 
CONSIDERANDO que por se tratar de situações em que a vida humana é colocada em situação de risco iminente, a espera pode tornar inócua qualquer providência a ponto de causar dano de difícil ou impossível reparação,
 D E C R E T A:
 
Art. 1º. Fica autorizada a intervenção e a administração pelo Comando da Polícia Militar do Estado de Rondônia nas unidades prisionais que compõem o Sistema Penitenciário do Estado de Rondônia, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, renovável por igual período ou até que a situação acima considerada seja absolutamente normalizada, tornando-se a intervenção não mais necessária.
 
Parágrafo único. A gestão das ações a serem implementadas para consecução dos objetivos autorizados neste ato, será exercida de forma compartilhada entre a Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania – SESDEC, Secretaria de Estado da Justiça – SEJUS e o Comando-Geral da Polícia Militar.
 
Art. 2º. Ficam os servidores da Secretaria de Estado da Justiça – SEJUS subordinados à coordenação do Comando da Polícia Militar, sob pena de incorrerem em desobediência, durante a vigência deste Decreto.
 
Art. 3º. Para dar cobertura às ações de manutenção da ordem e segurança no âmbito do Sistema Penitenciário Estadual, fica autorizada a contratação emergencial, pelo mesmo prazo estabelecido para a duração da intervenção prevista no caput do artigo 1º deste Decreto, de integrantes do Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada, objetivando o atendimento, em caráter excepcional, das unidades prisionais que compõem o referido Sistema Penitenciário.
 
Art. 4º. As despesas decorrentes da contratação ora autorizada, correrão à conta da dotação orçamentária destinada à SEJUS.
 
Art. 5º. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
 
Palácio do Governo do Estado de Rondônia, em 24 de janeiro de 2019, 131º da República.
 
 
MARCOS JOSÉ ROCHA DOS SANTOS Governador

Continue lendo
Anúncios
Comentários