Connect with us

Executivo

Em nove viagens internacionais, Bolsonaro gastou R$ 1,2 milhão

Publicada

em

Compartilhe

Segundo a Presidência da República, os custos dizem respeito ao gasto do total da equipe do presidente. Detalhamento é mantido em sigilo

Em nove viagens internacionais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe gastaram R$ 1,2 milhão. Entre os deslocamentos mais caros, estão as visitas ao Japão (R$ 331,3 mil) e à Suíça (R$ 278,4 mil).

O valor total é referente ao período compreendido entre janeiro e 23 de setembro. Os números foram levantados pelo site Don’t LAI to me – Fiquem Sabendo, agência de dados especializada na Lei de Acesso à Informação.

Segundo a Presidência da República, os custos dizem respeito ao gasto do total da equipe do presidente, e não somente de Bolsonaro, e incluem despesas com passagens, hotéis, transporte e alimentação. Os dados específicos de viagens de presidentes, como as notas fiscais, são mantidos sob sigilo até o fim de sua gestão.

Além do Japão e da Suíça, o presidente esteve em Nova Iorque (R$ 200 mil), Israel (R$ 186,8 mil), Dallas (R$ 131,9 mil), Washington (R$ 85,4 mil), Buenos Aires (R$ 25 mil), Chile (R$ 20,5 mil) e Santa Fé (R$ 15,5 mil).

Em oito meses de governo, o presidente Bolsonaro e a comitiva presidencial gastaram R$ 3,7 milhões em viagens nacionais. O chefe do Palácio do Planalto esteve em mais de 50 destinos neste período.

Ao todo, o chefe do Palácio do Planalto gerou uma despesa de R$ 4,9 milhões com viagens nacionais e internacionais. Faltam na lista a visita aos Oriente Médio (Arábia Saudita, Emirados Árabes e Catar) e à China (foto em destaque).

ISAC NÓBREGA/PR

Por enquanto, as informações disponíveis são somente de data, destino e valor, pois a especificação (íntegra das notas fiscais) é colocada sob sigilo até o fim do mandato do presidente.

Segundo a Presidência da República, não se pode abrir essa informação nem mesmo depois de o presidente deixar o cargo, sob risco de ameaçar a segurança de autoridades, uma vez que tal dado revelaria a quantidade de agentes envolvidos.

No começo de novembro, o Palácio do Planalto divulgou um espécie de balanço das viagens mais recentes do presidente. Na China, por exemplo, Bolsonaro assinou oito acordos bilaterais. Nos Emirados Árabes, o presidente firmou outros dois acordos. Na Arábia Saudita, o governo acertou com o Fundo de Investimento Público Saudita (PIF) uma iniciativa para explorar potenciais oportunidades de investimentos mutuamente benéficos em até US$ 10 bilhões, em parceria com o Brasil. Via Metrópoles

LEIA TAMBÉM

Continue lendo
Anúncios
Comentários