Connect with us

Coluna Painel Político

Direita e esquerda estão levando o Brasil para um buraco sem fundo

Publicada

em

Compartilhe

Polarização, com ideais distorcidos transformam o país em uma partida de futebol, o resultado é um empate que está dificultando a sobrevivência até dos ricos

Essa semana a esposa do deputado federal Eduardo Bolsonaro, Heloísa, se queixou de estar “passando perrengue” com o salário de pouco mais de R$ 30 mil que o parlamentar recebe. E se está ruim para ela, imagina o restante do país. Também esta semana, o preço da carne disparou, a gasolina subiu mais 4% e o salário mínimo projetado vai ser reduzido. O desemprego segue aumentando e os direitos trabalhistas foram para o ralo.

O governo vem adotando medidas, algumas controversas, como o fim do seguro obrigatório alegando que “quem quer seguro, faz um privado”. O problema é que grande parte dos brasileiros sequer consegue pagar a parcela de seu carro, que dirá fazer um seguro, que custa em média R$ 700 para carros populares (valor varia de acordo com idade, uso do veículo, etc). Em Rondônia, a conta de energia virou o grande vilão, que coloca muita gente na condição de ter que escolher entre pagar a conta de energia ou comprar comida. 

Nos supermercados, é visível a mudança tanto na quantidade, como na qualidade dos produtos e no caixa é onde o susto acontece.

Porém, nas redes sociais é possível ver gente defendendo tudo isso, muitos na esperança de dias melhores que não virão. A carne não vai baixar de preço, segundo o próprio governo informou. Gasolina e energia também não terão redução, e o maior problema, os salários não acompanham esses aumentos.

Mas ninguém dá bola para isso. 

“O importante”, dizem, “é que os comunistas não vão transformar nossa bandeira para a cor vermelha”, como se isso fizesse alguma diferença. No Brasil atual, mais vale pagar preços exorbitantes do que acordar para a realidade, o país está dividido e só quem ganha com isso são os especuladores, cuja maioria vive em Miami, para onde aliás, migrou grande parte dos ricos brasileiros que defendem as políticas atuais sem levar em conta as dificuldades que passam os compatriotas, que não tem condições sequer de viajar para ver parentes em outros estados.

Ao mesmo tempo, a esquerda mantém a mesma narrativa de décadas atrás, insistindo em políticas assistencialistas, sem projetos claros para resolver problemas do país e sofre com divisões internas. O revanchismo tolo dos atuais mandatários, com discursos distorcidos não os permitem enxergar que, tanto esquerda quanto direita tem idéias que podem ser aproveitadas para melhorar, ou ao menos tentar, a qualidade de vida dos brasileiros.

Faltam estadistas. Faltam patriotas de verdade. O que temos são narrativas antagônicas que perdem tempo em debates inócuos, mas o bolso dos especuladores segue enchendo, enquanto os carrinhos de supermercado vão esvaziando. É cada um querendo ter mais razão que o outro.

“Dividir para conquistar”. Esse conceito foi utilizado pelo governante romano César (divide et impera) e por outros conquistadores, como Napoleão, é um fenômeno que está acontecendo tanto no Brasil quanto na América Latina. Criou-se a fantasia de “invasão comunista”, de “cristãos contra todo o resto” ou de “direita contra esquerda”, e enquanto perdemos tempo alimentando o ódio entre nós, as ratazanas do mercado seguem enchendo os bolsos.

O brasileiro precisa evoluir. Somos o maior país da América Latina, temos recursos naturais, minerais, intelectual, mas não conseguimos avançar como cidadãos. São momentos de crise que o povo tem que se unir, cobrar de seus representantes, sejam de direita ou esquerda, melhoria na vida da população. O embate entre direita e esquerda está cansativo e não chega a lugar algum. Somos um país, uma só unidade federativa, e as políticas públicas afetam a todos, independente de ideologias. Quem tem mais de 40 anos acompanhou a transição entre governos militar e civil nos anos 80. Acompanhou o confisco da poupança feito por Collor de Mello, e se ná época existisse redes sociais, certamente muitos teriam defendido tal aberração, que sacrificou as economias de milhares, mas não resultou em nada nas contas governamentais.

Estamos revivendo esses traumas com as atuais políticas. Enquanto o resto do mundo cresce, o Brasil encolhe e emburrece com debates inócuos. Milhares estão vivendo nas ruas, outros milhares estão fazendo das ruas, a segunda moradia por terem que trabalhar como entregadores, motoristas de aplicativos, malabarismos em semáforos ou mesmo pedintes. Um país dividido só tem um destino, o fundo do poço, para onde seguem direitistas, esquerdistas e até terraplanistas. O problema está sendo chegar ao fundo. Pelo que tudo indica, ele ainda está longe de ser alcançado.

LEIA TAMBÉM

V

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação

Continue lendo
Anúncios
Comentários