Connect with us

Executivo

Contra Globo, Eduardo Bolsonaro quer mudanças na TV paga

Publicada

em

Como exemplo, ele defende que a empresa AT&T-Warner não tenha mais restrições para controlar no Brasil a operadora Sky e a produtora HBO

“Olá amigos, aqui é Eduardo Bolsonaro, tô hoje aqui pra falar de uma pauta que vai unir direita e esquerda: seriados”.

Assim começa vídeo divulgado pelo deputado do PSL nas redes sociais na última quarta-feira (7). Na postagem, o indicado de Jair Bolsonaro (PSL) para a embaixada do Brasil em Washington critica a Lei do Serviço de Acesso Condicionado (12.485/2011), que proíbe que distribuidoras e produtoras de conteúdo sejam controladas pelo mesmo dono. Ele afirma, com ironia, que “há quem diga” que a lei foi criada para diminuir a concorrência para que “uma famosa emissora de televisão” pudesse comprar os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro.

“Se a gente conseguir acabar com essa proibição, mais um benefício. A gente vai conseguir fazer com que aumente a concorrência, seja valorizado o Brasileirão ou mesmo que a gente consiga assistir aos jogos de futebol em vários outros canais”, argumentou o filho do presidente.

Como exemplo, ele defende que a empresa AT&T-Warner não tenha mais restrições para controlar no Brasil a operadora Sky e a produtora HBO. Segundo o site Tela Viva, esse entrave “surgiu nas conversas entre Bolsonaro e Trump, em março”, acompanhadas por Eduardo.

Dirigindo-se a “você que gosta de séries”, o deputado citou produções às quais o espectador brasileiro supostamente perderia acesso: Watchmen, Game of Thrones e Westworld. Ele destaca que já existe um projeto de lei para acabar com as restrições, escrito pelo senador Vanderlan Cardoso (PP/GO) e cujo relator é Arolde de Oliveira (PSD-RJ).

“E também, dentro do governo Bolsonaro existem pessoas que veem como certa uma medida provisória para ser encaminhada para o Congresso Nacional a fim de acabar com essa proibição. Quem for operador do canal também vai poder ser produtor de conteúdo. E você, consumidor, vai poder assistir à sua série, seja de direita ou de esquerda”, acrescentou Eduardo Bolsonaro.

A AT&T-Warner também é dona da CNN, que deve chegar ao Brasil até novembro como concorrente da GloboNews sob a direção de Anthony Doyle, que até o início do ano era executivo do grupo americano no Brasil.

Assista ao vídeo:

Continue lendo
Anúncios
Comentários