Coluna Painel Político

[COLUNA] – Léo Moraes abre mão de privilégios como parlamentar e quer pressão para reduzir valor da conta de energia em RO

Quando era deputado estadual, Léo abriu mão do auxílio-moradia e anunciou agora que vai doar auxílio-mudança para entidade filantrópica

Dando exemplo

O deputado federal Léo Moraes (Podemos) mostrou que realmente foi à Brasília para tentar mudar alguma coisa nesse país. Uma das primeiras providências adotadas pelo parlamentar rondoniense foi abrir mão de todos os privilégios que os deputados tem direito, incluindo carro oficial e auxílios. Léo transita na capital federal em carros de aplicativos e paga o aluguel com o próprio salário. E o polêmico auxílio-mudança, que foi pago nesta semana por decisão judicial, ele vai doar para entidades filantrópicas do Estado. Léo foi o único que tomou esta decisão. Quando era deputado estadual, Léo já havia aberto mão do auxílio-moradia pago aos parlamentares estaduais.

Na briga

E o deputado segue tentando reduzir os valores da energia elétrica no Estado, apesar de saber que é uma tarefa complicadíssima, “a discussão é política, precisamos envolver a sociedade. Rondônia sempre fica relegada a segundo plano. Sofremos com as companhias aéreas, com a alta conta de energia, com rodovias problemáticas, mas vou brigar aqui para tentar se não resolver, mas ao menos amenizar essas questões”, afirmou o deputado.

Falta ajuda

Na semana passada, o deputado chegou a lançar um “desafio” ao governador Marcos Rocha e ao prefeito Hildon Chaves, para que eles se unissem e se fosse o caso, cassassem as licenças de operação das usinas do Madeira se a conta de energia elétrica não reduzir. Para Léo, é preciso que a sociedade e os governos estadual e municipal entrem na luta.

Falando em deputado federal

Expedito Netto já mandou o recado, vai votar contra a reforma da previdência proposta pelo governo, mesmo contrário à determinação de seu partido. E ele também engrossa coro com Léo Moraes em relação ao reajuste abusivo concedido pela ANEEL à empresa Energisa, “palavras não vão conseguir mudar a situação do nosso estado. Precisamos muito mais do que palavras. Precisamos de ações. A redução na tarifa da energia elétrica de Rondônia só será possível através da nossa força e da força do povo”, disse.

Nem um, nem outro

A Câmara de Candeias do Jamari afastou o prefeito Luis Ikenohuchi nesta terça-feira por improbidade administrativa. Luis era vice de Chico Pernambuco, que foi assassinado a mando de um tio de Luis por supostos acordos fechados durante a campanha e não teriam sido cumpridos por Pernambuco. A sessão de afastamento durou cerca de seis horas e foram oito votos à favor e apenas um contra. Nesta terça, assumiu a prefeitura o presidente da Câmara, Lucivaldo Fabrício.

544

É o número de pessoas que já foram afetadas pela cheia do rio Madeira este ano. A previsão é que em março o rio encha ainda mais, causando mais problemas para famílias ribeirinhas. Na área ribeirinha urbana da Capital, a água já atingiu os quintais de várias residências localizadas nos bairros Areal Centro, Mocambo, Baixa União, Nacional, São Sebastião, Panair e Triângulo. Pelo visto, o drama está apenas começando.

Sintomas de depressão: por que a versão atípica da doença é tão perigosa

Costumamos pensar que um sorriso é indicativo de felicidade, certo? Há pessoas, entretanto, que são capazes de sorrir, viver momentos alegres e, ainda assim, nutrir sentimentos suicidas. São aquelas afetadas pelo que se conhece popularmente como “depressão sorridente” – o termo clínico, na verdade, é depressão atípica, como explica Olivia Remes, especialista em ansiedade e depressão da Universidade de Cambridge em um artigo no portal “The Conversation”. Remes explica que é difícil identificar aqueles que sofrem da doença exatamente porque os sintomas são frequentemente mascarados por falsas demonstrações de felicidade e porque, muitas vezes, são pessoas sem motivo aparente para estarem deprimidas: têm um trabalho, uma casa, amigos e até cônjuge e filhos. Alguns dos sintomas, contudo, podem nos ajudar a detectar quando alguém – ou nós mesmos – está deprimido, ainda que dê mostras pontuais de felicidade. São eles: Uma melhora temporária do estado de ânimo – provocada, por exemplo, pela chegada de boas notícias, da mensagem de um amigo ou elogio do chefe – seguida de uma recaída; Aumento do apetite e ganho de peso; Dormir por longas horas e, ainda assim, sentir sono durante o dia (enquanto outros tipos de depressão fazem as pessoas dormirem menos); Sensação de torpor e peso nos braços e nas pernas em vários momentos durante o dia; Maior sensibilidade a críticas e rejeição, que pode afetar as relações pessoas e de trabalho. A dificuldade de se perceber que uma pessoa que aparentemente se encontra bem está com depressão faz desta modalidade da doença mais perigosa que as outras, ressalta Remes em seu artigo. O tratamento geralmente envolve a prescrição de medicamentos, psicoterapia e mudanças no estilo de vida. Remes acrescenta, ainda, a realização regular de exercícios físicos e a prática da meditação, que, segundo ela, têm trazido bons resultados na prática clínica.


Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria em comunicação
Notícias relacionadas
Coluna Painel Político

[Coluna] - Polêmica sobre o peixe de RO não foi por acaso, supermercado foi multado em R$ 162 mil por vender pescado sem origem

Coluna Painel Político

[Coluna] - Uso indiscriminado de Roundup em lavouras e quintais de RO podem incidir sobre aumento de casos de câncer

Coluna Painel Político

[Coluna] - Delatado por Batista e investigado por crimes de corrupção, Confúcio Moura quer 'pena mais dura' para desvios na saúde

Coluna Painel Político

[Coluna] - Pena de Acir Gurgacz prevê perda do cargo de senador, mas ele segue na Casa

Inscreva-se na nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vale a pena ler...
Bolsonaro é visto como regular, ruim ou péssimo por 48% da população, diz pesquisa