E ainda, Léo Moraes tendo que explicar votação na CCJ é o tal do “emenda pior que o soneto” e a avaliação de Rodrigo Maia sobre os filhos de Bolsonaro, “um é para internar e o outro um deslumbrado”

Se tem que explicar…

O deputado federal Léo Moraes (PODE) vem postando em suas redes sociais esclarecimentos sobre seu voto na CCJ pela constitucionalidade da reforma da Previdência. O parlamentar esclarece que “votar pela constitucionalidade não é o mesmo que votar à favor”. Também afirma “não ter recebido os R$ 40 milhões” que o governo anda distribuindo em emendas para quem for a favor da proposta e que “pretende apresentar propostas que alterem o texto”. Pois é deputado, tudo que precisa ser explicado, é porque não é compreendido…e creia, sempre o mal entendido vence.

Dividir para conquistar

Emissários do governador andam tentando arregimentar deputados para construir uma base na Assembleia. Boatos de reuniões, conversas em salas fechadas tem circulado nos bastidores. Só um lembrete, da última vez que deputado conversou com governador em sala fechada, 23 de 24 foram indiciados e protagonizaram vídeos em rede nacional. A estratégia do governo é clara, basta ler Sun Tzu.

“Vamos cobrar, mas o preço vai cair”

Depois de um ano do início da cobrança de despacho de bagagens em voos, em vez de as passagens caírem como prometido, elas tiveram um aumento real médio de 6% (já descontada a inflação), mostra o UOL. Além disso, a taxa para o transporte de uma mala de até 23 kg já subiu 67%. A data de um ano conta a partir da cobrança feita pela Azul, a primeira empresa aérea a adotar o procedimento em 1° de junho de 2017. Quando começaram a cobrar pelo transporte de bagagem em voos, todas as companhias aéreas cobravam R$ 30 para o despacho de uma mala de até 23 kg caso o pagamento pelo serviço fosse feito com antecedência. Dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) apontam que, em junho do ano passado, o preço médio das tarifas aéreas em voos domésticos no Brasil equivalia a R$ 333,35 (o valor já está reajustado com a inflação do período). Em fevereiro deste ano (último dado disponível), o preço médio das passagens subiu para R$ 354,02, um aumento real de 6%. A reforma da Previdência é o mesmo golpe…

Encolhendo

A Odebrecht concluiu na última quinta-feira, 25, a venda da Chaglla, usina hidrelétrica no Peru, para a Three Gorges, da China, por US$ 1,4 bilhão — R$ 5,5 bilhões, conta a Época.

“Hospício Brasil”

O Brasil é governado por um bando de malucos“…Tenho a mesma impressão, todos os dias. A coisa desandou…

Isso é lenda

Esse pseudo-saudosismo que tomou conta de parte dos brasileiros nos últimos anos sobre “antigamente era melhor”, ou “a família brasileira precisa ser resgatada” é a maior idiotice que tenho visto. Nunca existiu esse negócio de “família tradicional”. Nelson Rodrigues retratava bem em suas crônicas, que eram um sucesso, os desvios comportamentais da tal “família tradicional”. Antes era até pior, as coisas eram enrustidas, talvez seja isso que choque os tais “tradicionalistas”. É melhor aceitar que o filho “é apenas bom amigo do primo” do que tirar o fofuxo do armário…

Espelho

A Argentina agoniza com o “liberal” Mauricio Macri. O caminho que seguimos é exatamente o mesmo sob a batuta do banqueiro Paulo Guedes. Recessão, desemprego e informalidade. O liberalismo econômico só funciona se houverem consumidores. O que temos atualmente é apenas e tão somente a concentração de capital na mão de poucos. Um mercado liberal requer ainda a quebra de monopólios, e estamos longe disso. O Brasil é um país imenso com seu controle dividido em meia dúzia de empresas e bancos.

“Um é para internar e o outro está deslumbrado”

Essa aí é a avaliação do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia sobre os filhos de Jair Bolsonaro, Carlos e Eduardo. Ele esqueceu do agora “invisível” Flávio, que esta semana levou outra invertida do judiciário ao tentar arquivar o inquérito do caso Queiroz.

Uso recorrente de hipnóticos por idosos hipertensos é associado a risco de aumentar a quantidade de anti-hipertensivos

O uso de medicamentos para dormir por pacientes idosos hipertensos foi associado a aumento subsequente do uso de anti-hipertensivos em novo estudo. “Estudos anteriores mostraram associações de características do sono com pressão arterial e hipertensão em adultos de meia-idade. No entanto, essas associações não existiram ou foram inconsistentes entre os idosos”, explicou ao Medscape o Dr. José Banegas, médico da Universidad Autónoma de Madrid, na Espanha. “Nossos achados podem ser úteis na prática, uma vez que um em cada cinco idosos aumentou seu tratamento anti-hipertensivo durante o acompanhamento, e sabe-se que quanto maior o número de medicamentos tomados, maior o risco de medicamentos inapropriados, reações adversas e menor adesão ao tratamento”, acrescentou. O estudo de coorte prospectivo foi publicado on-line em 25 de março no periódico Geriatrics and Gerontology International. O estudo teve 752 pacientes com idade ≥ 60 anos (média de 69 anos; 49% homens) que participaram de uma coorte de idosos. Eles estavam fazendo tratamento para hipertensão e foram acompanhados de 2008-2010 até 2012-2013. A duração do sono (relatada pelos próprios pacientes), a qualidade do sono (frequente dificuldade de adormecer ou de permanecer dormindo) e o uso de medicamento para dormir (o tipo de hipnótico usado não foi especificado) foram determinados no início do estudo, e a mudança na quantidade de anti-hipertensivos prescritos, ao final do acompanhamento. As análises foram realizadas com regressão logística e foram ajustadas para dados demográficos, estilo de vida, comorbidade, quantidade de anti-hipertensivos utilizados e controle da hipertensão. Os resultados mostraram que a duração média do sono foi de 6,9 horas por noite. Qualidade ruim do sono foi relatada por 37%, e 16,5% informaram que geralmente usavam medicamentos para dormir. A média de anti-hipertensivos utilizados foi de 1,8.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *