Connect with us

Coluna Painel Político

[Coluna] – GAECO começa a se mexer em breve gente do governo anterior vai estar acordando com visita

Publicada

em

Compartilhe

E ainda, após quase 8 anos, apartamento que era alugado para Mangabeira Unger condena ex-gestores

Demorou

O Tribunal de Contas finalmente julgou (e condenou) os ex-titulares da Coordenadoria-Geral de Apoio à Governadoria (CGA), Vicente Rodrigues Moura, conhecido também como “Vicente Cambuquira”, e Florisvaldo Alves da Silva, conhecido popularmente como ” Valdo”. Eles foram responsáveis pelo aluguel de um apartamento em um prédio de luxo em Porto Velho que deveria abrigar o ex-ministro de coisa nenhuma Mangabeira Unger. Mas, antes de aprofundar na decisão, vou explicar rapidamente como foi esse rolo.

Lembram da Apocalipse?

A Operação Apocalipse, deflagrada pela Polícia Civil de Rondônia tinha como cortina de fumaça um emaranhado misturando tráfico, golpes com cartão de crédito e servidores fantasmas. Mas, o pano de fundo eram os credores de campanha de Confúcio Moura, Alberto Siqueira “Beto Baba” e Fernando Serrão, o “Fernando da Gata”. Ambos haviam colaborado com a primeira eleição de Confúcio, e estavam irritados por não estarem sendo devidamente ‘prestigiados’ no governo. Eles também haviam financiado a eleição de Ana da 8, e a cobravam publicamente. A ex-deputada estadual havia formalizado em cartório um contrato onde se comprometia a empregar pessoas indicadas pela dupla em seu gabinete, além de outras vantagens.

Segue o fio

Beto é proprietário, junto com sua esposa, de um luxuoso apartamento em Porto Velho. Ele foi procurado na época por gente do governo e alugou o imóvel, em 2011, por mais de R$ 6 mil/mês. Ele mobiliou o apartamento de acordo com as instruções que recebeu. O local serviria para abrigar o “guru” de Confúcio Moura, o já na época ex-ministro de coisa nenhuma do governo Lula. Mangabeira passou a ir com frequencia para Rondônia, com passagens e hospedagens pagas pelo governo, é claro, à título de “dar consultoria”. Nunca resolveu nada, mas queimou dinheiro com vontade.

Apocalipse now

Mas, a operação Apocalipse descobriu uma série de rolos no governo de Confúcio, e no turbilhão das informações que circularam à época, algumas coisas passaram batidas para a maioria da população. Mas, não para quem acompanha PAINEL POLÍTICO. Em 2014 a coluna cobrava do governo explicações sobre a locação do imóvel. Um ano antes, havíamos descoberto também que a residência oficial de Confúcio Moura era alugada com preços bem acima do mercado. Ele pagava na época cerca de R$ 13 mil por mês. Esta semana, o Tribunal de Contas condenou Valdo e Cambuquira a ressarcirem os cofres estaduais em pouco mais de R$ 69 mil.

Mas, sabe o que é pior?

Durante todo o período de locação, que foi quase todo o primeiro mandato, Mangabeira não usou o apartamento nem 60 dias. Ano passado nós listamos aqui os 9 maiores escândalos da gestão Confúcio Moura.

Tic-tac

O Gaeco, do Ministério Público do Estado está se movimentando e vem uma série de operações por aí. Já tem gente sendo chamada para “dar esclarecimentos”. Questão de tempo o tic-tac…

Queixas

A PNA, agência responsável pelas contas da Assembleia Legislativa e Prefeitura está sendo alvo de queixas de empresas de comunicação que detém contratos com esses órgãos. A agência não estaria repassando os pagamentos, mesmo já tendo recebido. 

Estudo mostra que infarto pode acelerar declínio cognitivo

A dor no peito (angina) e o infarto do miocárdio são manifestações da doença arterial coronariana, também conhecida como doença isquêmica do coração. Ela ocorre quando há um estreitamento das artérias, que leva ao bloqueio do fluxo sanguíneo. Um novo estudo, publicado no “Journal of the American College of Cardiology”, mostra que quem enfrenta um episódio de angina ou um ataque cardíaco apresenta um quadro de declínio cognitivo depois do incidente. A pesquisa trabalhou com dados de quase 8 mil pessoas, acima de 50 anos, que não tinham tido angina, infarto ou derrame, nem haviam sido diagnosticadas com demência. Num período de 12 anos, esses indivíduos se submeteram regularmente a testes de cognição: um de memória, no qual deveriam lembrar-se de palavras apresentadas dez minutos antes; outro de fluência semântica, quando deveriam citar o maior número de animais em um minuto; e, por fim, um de orientação temporal, respondendo a perguntas sobre o dia da semana, mês e ano.

Continue lendo
Anúncios
Comentários