Connect with us

Brasil

Carlos Bolsonaro publica lista de movimentações suspeitas que inclui o irmão, Flávio e depois apaga

Publicada

em

Compartilhe

No Twitter, parlamentar compartilhou lista elaborada pelo Coaf que relatou movimentos atípicos em gabinetes de deputados

Em resposta a um post do deputado federal Marcelo Freixo(PSOL-RJ) no Twitter, o vereadorCarlos Bolsonaro publicou uma lista de políticos da Assembleia Legislativa do Rio cujos nomes estão envolvidos em movimentações financeiras atípicas. Entre os parlamentares citados na lista, está o nome do seu irmão mais velho, o hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL). A postagem foi feita neste sábado.

A lista, que também tem representantes do PT, PDT, PSC e DEM, faz parte de um relatório do Coaf (Conselho de Controle das Atividades Financeiras) que apontou movimentações atípicas de auxiliares de deputados . O nome de Flávio aparece no relatório, produzido no âmbito da Operação Furna da Onça , por conta das transações realizadas pelo policial militar Fabrício Queiroz, seu ex-assessor.

A interação entre os parlamentares começou quando Freixo, em post na rede social, cobrou posicionamento do ministro Sergio Moro sobre recentes interferências do presidente Jair Bolsonaro na superintendência da Polícia Federal no Rio .

Carlos Bolsonaro

“E aí, Sergio Moro, você vai continuar nesse silêncio constrangedor enquanto o seu chefe Jair Bolsonaro desmoraliza a Polícia Federal pra blindar o Queiroz e proteger a família? Prefere ficar calado pra não melindrar o clã, ministro?”, questionou Freixo no Twitter.

Como resposta, o filho do presidente postou imagem que mostra a lista, aproveitando para questionar Freixo sobre os nomes do PSOL presentes na relação: o deputado estadual Eliomar Coelho e o ex-deputado Wanderson Nogueira.

“Aí maluc(x), o que tem pra falar sobre estes casos dos amigos do PSOL? Ou vai continuar fingindo que nada existe e que Copacabana Palace é Venezuela ou Cuba?”.

A postagem foi apagada.

Procurada na tarde deste domingo, a assessoria do vereador informou que ele não comentaria o caso. À noite, Carlos usou o Twitter para chamar O GLOBO de “desonesto” e dizer que “descontextualiza tudo”.

Apesar de constar na lista publicada por Carlos, o nome de Wanderson Nogueira foi retirado em dezembro de 2018. O parlamentar aparecia entre os citados pelo Coaf por conta de uma servidora que foi nomeada para o gabinete da deputada Márcia Jeovani (DEM). No entanto, o Diário Oficial publicou que ela havia sido indicada para o gabinete de Nogueira, segundo a assessoria da Alerj.

O documento sobre as movimentações financeiras de servidores e ex-servidores da Alerj cita 2.301 pessoas físicas e 701 pessoas jurídicas. Deste total, 545 são servidores e ex-servidores da Alerj. E desses 545, “75 apresentaram movimentação financeira suspeita”, segundo o relatório.

Com informações do Jornal O Globo

Continue lendo
Anúncios
Comentários