Connect with us

Geopolítica

Alemanha, França, Canadá e Inglaterra defendem que incêndios na Amazônia devem ser debatidos no G7

Publicada

em

Compartilhe

Porta-voz da primeira-ministra da Alemanha diz que o fogo na floresta amazônica é uma situação urgente

Os incêndios na Amazônia são uma situação urgente que deve ser debatida no encontro de cúpula do G7, afirmou, nesta sexta-feira (23), um porta-voz da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel. Ela é a terceira líder do G7 que sinaliza que o grupo pretende discutir o fogo na floresta amazônica: Emmanuel Macron, da França, e Justin Trudeau, do Canadá, já se pronunciaram da mesma forma.

“A magnitude dos incêndios é preocupante e ameaça não só o Brasil e os outros países afetados, mas também o mundo inteiro”, disse Steffen Seibert, representante de Merkel.

A primeira-ministra está convencida de que o tema deve ser debatido pelos países que vão se reunir para o encontro do G7, previsto para este fim de semana, em Biarritz, no sudoeste francês, segundo o porta-voz.

Reino Unido manifesta preocupação

O Reino Unido está preocupado com os incêndios na floresta amazônica e o primeiro-ministro Boris Johnson vai dizer, no encontro de cúpula do G7, que é preciso renovar o foco na proteção da natureza, de acordo com afirmação de seu gabinete nesta sexta-feira (23).

“O primeiro-ministro está gravemente preocupado pela alta da quantidade de incêndios na floresta amazônica e o impacto de trágicas perdas nesse habitat”, disse um porta-voz.

Macron, da França, diz que tema é urgente

O presidente da França, Emmanuel Macron, também afirmou em uma rede social na quinta-feira (22) que é preciso discutir o tema na reunião.

“Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão de nosso planeta, que produz 20% de nosso oxigênio, arde em chamas. É uma crise internacional. Membros do G7, vamos nos encontrar daqui a dois dias para falar dessa urgência!”, escreveu o francês.

A floresta amazônica não pode ser considerada o pulmão do mundo, pois consome a maior parte do oxigênio que produz.

Canadense também quer falar sobre Amazônia

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, respondeu ao francês na mesma rede social.

“Eu não poderia concordar mais, Emmanuel Macron. Nós trabalhamos muito para proteger o ambiente no G7 no ano passado em Charlevoix, e precisamos que isso continue nesse fim de semana. Precisamos agir pela Amazônia e agir pelo nosso planeta –nossos filhos e netos contam conosco.”

Os países que participam do G7 são:

  • Alemanha
  • Canadá
  • Estados Unidos
  • França
  • Itália
  • Japão
  • Reino Unido

Acordo entre o Mercosul e a União Europeia

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, afirmou que o país vai buscar bloquear o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE), a não ser que o Brasil proteja a floresta amazônica, de acordo com jornais irlandeses.

O voto para ratificar o tratado comercial está agendado para dois anos, e nesse tempo o Brasil será monitorado, segundo o irlandês.

Varadkar também comentou as afirmações sem evidência de Jair Bolsonaro de que ONGs podem estar por trás de queimadas na Amazônia para ‘chamar atenção’ contra o governo –o brasileiro disse isso na quarta-feira (21).

O irlandês classificou essa alegação como “orwelliana”, em uma referência ao romancista George Orwell, que escreveu livros de temáticas distópicas.

Ativista também se manifesta

A ativista adolescente Greta Thunberg, da Suécia, também se pronunciou sobre o tema. “Até aqui no meio do Oceano Atlântico eu escuto sobre o recorde de incêndios devastadores na Amazônia. Meus pensamentos estão com os afetados. Nossa guerra contra a natureza precisa terminar”, ela escreveu.

Ela está no meio de uma viagem de veleiro entre o Reino Unido e Nova York, onde vai participar de uma reunião da ONU.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na quinta (22) estar profundamente preocupado com os incêndios na floresta amazônica.

Resposta de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro respondeu ao francês Macron pelas redes sociais na quinta (22). Ele disse lamentar que o presidente da França “busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil” para “ganhos políticos pessoais” e criticou o “tom sensacionalista” sobre a Amazônia. Ele também disse que o francês se refere à Amazônia “apelando até para fotos falsas”.

A imagem que Macron usou junto com seu texto na rede social é antiga: ela foi feita pelo americano

O post do presidente francês é acompanhado da foto de um incêndio florestal Mas a imagem, na verdade, é antiga. Foi feita pelo fotógrafo americano Loren McIntyre, que morreu em 2003.

Com G1

Continue lendo
Anúncios
Comentários